sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

O Caso de Annita Sattiva: A Bruxa Depressiva

 

Fernando Liguori


Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei.


Alguns meses atrás, pesquisando sobre o Sabbath das Bruxas, me deparei com um vídeo de uma autoproclamada «bruxa do bem». Com esse lema, a «cristista em pele de bruxa» vem enganando incautos, não por maldade, mas por ignorância (falta de conhecimento espiritual). Chafurdada na lama da mentira e do desengano, essa bruxa do bem tem espalhado mentiras e difamações ao meu respeito e sobre o meu trabalho após alguns eventos interessantes.

Certa feita essa cristista em pele de bruxa afirmou com todas as letras possíveis do alfabeto que o Sabbath da Bruxas nunca teve nenhuma conotação sexual e que quem defende essa ideia não sabe o que é bruxaria de verdade. Eu me esforcei em esclarecer essa desinformação mentirosa na edição do Jornal Corrente 93 de dezembro de 2016e.v., toda dedicada a esse tema e sobre isso não é necessário discorrer mais nenhuma palavra por aqui. No entanto, gostaria de contar essa história desde o início e de esclarecer o seguinte ponto: não é possível olhar para os cultos do passado com os olhos de uma cristista dogmática, preconceituosa e o que é pior, com terríveis traumas sexuais mal resolvidos.

Quando essa cristista em pele de bruxa afirmou tal desinformação para muitas pessoas em seu vídeo, tentei alerta-la para a medonha idiotice que acabava de falar em seu vídeo. Ela não gostou e disse que quando eu estava a criticar seus pontos de vista, também estava criticando sua pessoa pois, segundo ela, «eu sou minhas ideias, uma crítica a elas é uma crítica a minha pessoa». Depois dessa frase eu conclui de que não tratava de uma pessoa séria, pois qualquer um que está mais adiantado no caminho e se propõe a ajudar pessoas sabe que, em verdade, nós não somos nossas ideias e muito menos qualquer uma das máscaras que construímos e vestimos. Qualquer pessoa séria sabe que nossa Alma ou Espírito não tem nada a ver com aquilo que «vestimos» para nos apresentar ao mundo. Eu tentei contornar a situação dizendo que não, minha crítica não era a pessoa dela, pois nem a conhecia, mas as ideias que ela estava transmitindo. Mesmo assim a bruxinha depressiva levou para o lado pessoal, mais uma vez mostrando o quão séria ela é no caminho. Eu apontei obras onde ela poderia estudar o assunto mais profundamente, mas de nada valeu, pois ela encerrou-se na crença de que o verdadeiro Sabbath das Bruxas se referia as celebrações da roda do ano como entendemos na modernidade, o que nem de longe é verdade.

Para encerrar o assunto, eu deletei todas as mensagens para deixa-la seguir seu curso de engano e mentiras (para si mesma e para as pessoas que a assistem). Mas ela guardou minhas palavras não apenas como ofensa e falta de respeito, mas também, como uma «crítica destrutiva». Para pessoas sérias na jornada não existem críticas destrutivas. A partir disso, ela começou a gravar uma série de vídeos falando sobre minha pessoa, nunca utilizando o meu nome, mas claramente falando para mim. Bom, eu fiz o mesmo: um vídeo criticando sua postura, sem falar o nome dela. Nesse vídeo minha crítica passou pelo seguinte crivo da análise objetiva: um doente pode curar outro doente? Em inúmeras vezes a tal cristista em pele de bruxa disse ser uma pessoa altamente depressiva, que tentou se matar e que vivia uma vida infeliz com seu cônjuge que não a apoiava em suas demandas espirituais. Somado a isso um consumismo típico de quem precisa ansiosamente de bolsas, roupas e sapatos para mascarar sua carência e infelicidade. Baseando-me nas palavras dela sobre si mesma apenas, concluí que uma pessoa altamente doente como essa, com a mente torpe e tóxica, vem utilizando de uma máscara de bruxa do bem para disseminar sua ignorância interior. Eu não iria falar dela no meu vídeo, no entanto, quando lhe procurei para falar sobre as questões que ela havia levantado sobre mim em seus vídeos, descaradamente ela mentiu e disse que não falou de mim. Além disso tudo, notei então estar falando com uma falsa e dissimulada que fala em seus vídeos que não possuía mídias sociais como Facebook, quando ela, novamente descarada, me escreveu de um perfil falso. Bem, quando notei, vi que realmente a tal da cristista em pele de bruxa se trata de uma mulher altamente doente e que precisa desesperadamente fazer vídeos no You Tube para se sentir melhor consigo mesma. Dessa forma, alegando ajudar outras pessoas, o que ela quer é ajudar a si mesma aplicando doses consideráveis de massagem no seu ego.

Como uma retaliação a meu vídeo, ela começou a espalhar que eu sou uma pessoa falida, que meu trabalho vai de mal a pior e que eu a «cutuquei com palitos de fósforo». Disse ainda que eu fiz trabalhos mágicos, que «lhe enviei demônios». Bem, eu vivo com uma pessoa ao meu lado, uma companheira que pode atestar que eu não sou dado a isso. Annita Sattiva, qualquer fracasso meu é infinitamente superior as suas vitórias e uma vez que você é a sua pior inimiga, não preciso fazer nada contra você. Primeiro porque você mesma já faz e qualquer buscador sério não consegue ver mais de cinco minutos de seus vídeos. Ademais, você não oferece nenhum tipo de perigo, pois qualquer prática mágica feita por você, uma doente psíquica, não tem força nenhuma, por mais pimentas que você queira usar em seus feitiços.

A sua história Annita Sattiva, conta a vida de um fracasso como pessoa, atriz e iniciada. Papeis e interpretações a parte, é a sua pessoa, por baixo disso tudo, que precisa veementemente de atenção para se afirmar. Você é uma piada e o séquito de imbecis e idiotas que te seguem estão emulando a sua miséria: todos na fossa do Porque!

Uma solução para sua depressão crônica: cria vergonha na cara e vá trabalhar! De minha parte, finalizo essa questão e indico o texto: Choronzon, Internet & Mídia Social.


Amor é a lei, amor sob vontade.


Um comentário:

  1. Kkkkkkkkkk! A mulher é muito doida mesmo, pqp! Cara de chapada...e falando é pior ainda...
    Como alguém acredita naquilo!?

    ResponderExcluir

Ola, seja bem vindo para comentar. Utilize o bom-senso, seja profundo.