sábado, 19 de março de 2016

A Magia de Lamed



Fernando Liguori


Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei.


No hemisfério sul, o Equinócio de Primavera ocorre quando o Sol entra na casa zodiacal de Libra, a filha dos senhores da verdade, controladora da balança, por volta de 20 de março. Trata-se de uma data muito importante no calendário thelêmico: marca a comemoração do Ano 0 de Thelema ou Equinócio dos Deuses, uma invocação ao Deus Hórus executada por Crowley e sua esposa Rose na ocasião que estiveram o Cairo, Egito em 1904. Segundo o calendário thelêmico, estamos entrando no Anno V-2, regido pela Alta Sacerdotisa no Tarot de Thoth.

Libra rege o vigésimo segundo Caminho na Árvore da Vida e é a Inteligência Leal, assim chamada porque através dela as virtudes espirituais são aumentadas, e todos os habitantes da Terra estão praticamente sob a sua sombra.

O Caminho de Lamed, O Ajustamento, está entre Tiphereth e Geburah. Lamed significa aguilhão, uma vara pontiaguda que estimula o boi a continuar andando. Esta atribuição indica o relacionamento especial desta letra com Aleph (boi) no Caminho de O Louco. A interação entre eles é excepcionalmente complexa, embora os princípios existenciais possam ser expressos com simplicidade: O Ajustamento conserva o equilíbrio da Árvore e, assim, a energia que flui d’O Louco (que às vezes tem sido chamado de Espírito Santo) irá operar dentro dos limites de um padrão natural. O Ajustamento administra as leis de Binah, escritas pelo Hierofante. Este é o Controlador da Balança.

Seu significado não pode ser interpretado como o de Inteligência da fé. Em vez disso, trata-se da Inteligência que é leal ao que é simbolizado pelo Louco. Sem Lamed, Aleph não poderia agir da forma como o faz. Além do mais, toda a Árvore da Vida está relacionada com o vigésimo segundo Caminho, cujo número é o total de todos os Caminhos. O Ajustamento não é uma figura ou força solitária, mas um amálgama de todos os Caminhos. O alinhamento de forças tem sido descrito como algo que está contido na força essencial da vida simbolizada pelo Louco.

Este é um Caminho onde se faz tudo o que é necessário para levar o organismo a um estado de equilíbrio, um processo que, como o símbolo da espada sugere, nem sempre é agradável. Esta é a espada de Geburah, que extirpa tudo o que não é necessário. Trata-se de uma dura experiência, embora nenhum castigo esteja implícito. Não existe questionamento a respeito do bem ou do mal, do certo ou do errado. A alma avalia a si mesma com a mão esquerda e, em seguida, faz os ajustes necessários empunhando a espada com a direita. Pode-se observar que, quando as Sephiroth são colocadas no corpo humano, Geburah fica no lado direito e Chesed no esquerdo.

A espada d’O Ajustamento, a arma de Elohim Gibor (Deus de Geburah), é terrível. Ela pode ser rápida e devastadora na remoção de tudo o que não é mais necessário. Ela pode fazer a guerra e impor a paz. Mas a espada tem dois gumes, um que destrói e outro que consagra, tal como acontece durante a outorga do Grau de Cavaleiro na O.T.O. A eliminação dos aspectos negativos do corpo e da alma é um retorno à pureza, uma consagração. Esta ideia de pureza renovada é reforçada pela função de Libra e dos rins, que removem as excretas do sistema orgânico.

De conformidade com a ideia de encarnação e de reencarnação, diz-se que esta carta representa o karma, um princípio geralmente compreendido como a colheita, pela alma renascida, daquilo que foi semeado em vidas passadas. O termo frequentemente tem sido mal-empregado: karma na verdade significa ação. Isto é, karma nada mais é que uma lei de equilíbrio, de compensação, de contínuo ajustamento. É uma lei amorosa e não um castigo ou punição como tem sido leigamente conceituada.

O Rito de Lamed
Estágio 1: Preparação
Prepare a Cripta.
Coloque a carta do Atu VIII, O Ajustamento, sobre o altar.
Coloque dois candelabros com velas brancas ao lado da carta.
Execute o Ritual do Pentagrama da Sociedade de Estudos Thelêmicos (invocando).
De frente ao altar, trace o pentagrama invertido dentro do círculo e invoque:
Lamed, Filha dos Senhores da Verdade, Reguladora do Equilíbrio entre todas as coisas: A Verdade, mensuradora do imensurável. Deixe que a verdade mensure o amor inefável (pausa).
Sente-se frente ao altar e execute trāṭaka (nível 3) na letra Lamed:
Estágio 2: Trāṭaka na Letra Lamed
Sente-se em uma postura confortável.
Feche seus olhos e os mantenham fechados durante toda a prática.
Execute kāya-strairyam.
Esteja completamente consciente da estabilidade de todo o seu corpo. Sinta que seu corpo está imóvel e fixo no chão. Visualize que seu corpo faz parte do chão (pausa).
Torne-se consciente do bhrūmadhya, o centro entre as sobrancelhas.
Sem forçar inadequadamente, direcione sua consciência para sensação na pele no ponto entre as sobrancelhas.
Não pense em nada mais além do centro entre as sobrancelhas.
Consciência intensa na sensação da pele no ponto entre as sobrancelhas (pausa).
Estágio 3: visualização interna
Visualize a letra Lamed no centro entre as sobrancelhas.
Mantenha a imagem no centro entre as sobrancelhas.
Se a imagem enfraquece ou desaparece, não se preocupe, apenas recrie a imagem novamente.
Mantenha a imagem estável no centro entre as sobrancelhas.
Estágio 4: consciência respiratória
Observe atentamente a imagem interna.
Simultaneamente, esteja consciente de sua respiração.
Execute ujjāyī-prāṇāyāma e khecarī-mudrā.
Quando inspirar, visualize que o ar está vindo do centro entre as sobrancelhas, o bhrūmadhya, diretamente para parte de trás da cabeça, através do tubo psíquico do ājñā-cakra.
Ao mesmo tempo esteja consciente do som da respiração produzido pela execução de ujjāyī-prāṇāyāma.
Quando expirar, visualize que o ar sai da parte de trás da cabeça e percorre o tubo psíquico até o centro entre as sobrancelhas (pausa).
Agora, visualize a imagem interna se movendo para frente e para trás no tudo psíquico do ājñā-cakra na medida em que inspira e expira.
Quando inspirar, sinta o som produzido pela respiração, sinta a respiração e a imagem interna se movendo para trás no tubo psíquico do ājñā-cakra.
Quando expirar, esteja consciente do som produzido pela respiração, da respiração e a imagem interna se movendo para frente no tubo psíquico do ājñā-cakra.
Faça isso com cada respiração, de forma bem consciente (pausa).
Inicialmente, isso pode parecer difícil. Mas com a prática a execução se torna cada vez mais fácil. Eventualmente você não terá dificuldade em sentir a respiração se movimentando no tubo psíquico do ājñā-cakra.
Continue a prática por mais dez minutos.
Estágio 5: investigando a natureza de Lamed
Relaxe ujjāyī-prāṇāyāma e khecarī-mudrā. Libere a concentração da respiração e do som produzido por ela.
A partir deste momento você terá de investigar a natureza de Lamed.
Penetre no interior da imagem interna.
Observe atentamente a imagem e investigue sua forma, sua natureza.
Mantenha o olhar fixo na letra Lamed.
Mantenha o olhar fixo nas profundezas da letra Lamed.
Sinta e veja a aura da letra Lamed penetrando sua mente.
Perceba o máximo de detalhes da imagem (pausa).
Sinta sua consciência absorvendo os raios luminosos da letra Lamed na intenção de descobrir seu significado mais profundo.
Qual é a natureza de Lamed?
Qual é a essência fundamental que se encontra além daquilo que você vê (pausa).
Relaxe a imagem e mantenha consciência apenas no centro entre as sobrancelhas.
Inspira e expira. Quando estiver pronto abra os olhos.
Estágio 6: Encerramento
Levante-se e execute o Sinal do Entrante frente a carta do Tarot, seguido pelo Sinal do Silêncio.


Amor é a lei, amor sob vontade.



© Fernando Liguori. Este texto é uma adaptação do livro ainda em preparo: Os Rituais do Tarot.

Um comentário:

  1. Nossa, muito elucidativo este texto. Obrigado pelo compartilhamento.
    No aguardo do lançamento de seu livro.

    ResponderExcluir

Ola, seja bem vindo para comentar. Utilize o bom-senso, seja profundo.