sábado, 11 de outubro de 2014

Operação Dagdagiel



Ordo Templi Orientis Draconiis
Loja Shaitan-Aiwaz
Doc. 001 – 2005 e.v.
An IVxii Sol in 11° Capricorn, Luna in 16° Virgo, Dies Saturnii
Sábado, 1 de janeiro de 2005 e.v.


Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei.


A prática com os Túneis de Seth no começo, quando tudo ainda é muito incerto, pode levar o magista por caminhos e lugares habitados pelas mais terríveis criaturas das sombras. O Ritual de Dagdagiel no primeiro dia do ano de 2005 da era vulgar conteve elementos similares a esta falta de experiência.1

Era uma Sexta Feira, dia de Vênus, 31 de Dezembro de 2004 e.v. O Templo Nu-Isis da Loja Shaitan-Aiwaz estava estruturado para o trabalho com o gênio qliphótico Dagdagiel, Guardião do 14º Túnel ou kala.

Oficialmente o Ritual fora projetado da seguinte maneira conforme escrito no manuscrito original da Operação anotado por Soror Tanitn, 789 ‘.’ IXº O.T.O.:2

1. Consagração da Santa Nuit
2. Chamado da Corrente Shaitan-Aiwass
3. Banimento
4. Circumbulação
5. Abertura dos Graus 0º, 1º, 2º e 3º OTO
    Aussik3 – 0º, 1º e 2°
    Tanith – 3°
6. Samekh – abertura do 4º OTO
7. Portais Enochianos
8. Abertura dos Graus 5°, 6°, 7º, 8° 9º e 10º
9. Operação com Dagdagiel
10. Fechamento

Entretanto este esqueleto não foi seguido como estava no papel pelas recepções obtidas no Templo bem como os acontecimentos misteriosos que fizeram parte da experiência pessoal de Tanith.

Na Consagração da Santa Nuit onde as primeiras manifestações de Aussik no corpo do Sacerdote sempre se fazem presente, Aussik explicou a Tanith a importância dos ruídos emitidos por seus colares. A Sacerdotisa é capaz de manipular as vibrações de cada nota do ruído e administrá-la em benefício de sua bruxaria. A Sacerdotisa se sentira muito mal nesta Operação. A informação dada a ela por Aussik fora de tamanha importância que ela necessitou de todos seus ornamentos mágicos para a realização da prática mágico-sexual posteriormente.4

Ele comparou-a a Serk, a Deusa do Círculo, unindo todos os Mistérios Tifonianos em uma só manifestação naquela operação, Hecate.

Nesta etapa da Operação, Tanith se mantinha em profunda meditação. Seu relato deste período diz que ela se encontrava assumindo a forma de Hecate, a Deusa com Cabeça de Rã, adorada pelos Adeptos do Culto da Serpente Negra que praticam seu Obeah e sua Wanga na parte sombria da Árvore da Vida, a saber: seu reverso!


Karen Kelly née Liguori, Sacerdotisa do Templo Nu-Isis.

O 14º kala une a zona de poder cósmico Binah «Odudua» com Chokmah «Anansi», simbolizada pela Aranha, o Supremo Símbolo do Culto Obi «Obeah». Estas duas zonas de poder ativam o Obeah e o Wanga, «o trabalho da baqueta e o trabalho da espada». Serk, a Deusa do Círculo simbolizada por Escorpião, unifica a Aranha e a Serpente em um glifo. O trabalho da baqueta «Chokmah, o Magus, Chozzar – Netuno» e o trabalho da espada «Binah, a Mulher, Saturno» são idênticos. Sua fusão é o trabalho do Obeah e o Wanga que acompanham o 14º kala.

Antes de terminar a etapa da Consagração da Santa Nuit, o Sacerdote já como Aussik dá início ao Chamado da Corrente Shaitan-Aiwass. Ele chegara a invocar Aiwaz através de Lam, uma entidade praeter-humana que funciona como um portal para outras dimensões através de Daäth. O Sacerdote em frente à imagem de Lam começara a inflamar-se na invocação de Aiwaz. Utilizando uma fórmula mágica de contato com esta entidade desenvolvida pela Loja Lamal, ele fora capaz de se unir à consciência de Aiwaz e a partir daquele momento, agir em constante equilíbrio com a Corrente. Ao adentrar no Ovo, Aussik fora remetido às profundezas utilizando para se defender a fórmula do Sinal de Proteção.

Ele dera início, nesta condição espiritual, ao chamado de Shaitan, o Mais Elevado Deus. Solicitou a presença de Tanith ao seu lado. Por cima do Robe e por cima da vestimenta Sacerdotal dela, ambos começaram a se excitar enquanto invocavam Shaitan. A seguir Aussik vira-se para Sacerdotisa e no estado Ofita, começa a dar-lhe passes magnéticos do Culto Ofidiano.

Tanith havia decidido comer 12 uvas na virada do ano profano. Após a invocação de Shaitan ela comeu as 12 uvas. Aussik não conseguia conceber o porquê daquela atitude. Em seguida ela dissera que tal procedimento era feito em virtude de 12 pedidos para o ano vulgar que estava começando. Já se encontravam em 1 de janeiro de 2005 e.v. A Sacerdotisa relatou que enquanto Aussik fazia o pedido comento 11 uvas, ela sentia a aurora do ano novo vulgar como uma grande massa inconsciente que pairava sobre ela vestindo-a. Neste momento ela sentiu muitas dores de cabeça e começou a passar muito mal.

Essa invocação consistia na assunção divina de um chacal, o zoötipo de Shugal, a forma-divina de Shaitan-Aiwass. Ele complementa Choronzon, o Guardião do Pilono de Daäth que forma a base da pirâmide e o portal para rede de Túneis da Árvore da Morte.

A partir deste momento Tanith começara a passar mal. Aussik ofereceu-lhe um Cálice de vinho consagrado a Shaitan. Ela se recusou e fora vomitar. Seu relato deste momento diz que na «virada do ano» muitas entidades passaram pelo Templo e dois seres extraterrestres de baixa estatura, segundo ela, foram os que mais se aproximaram «para dar uma olhada» no que estava se passando. Mas logo foram embora segundo seu relato.

Isso ocorrera porque ainda não havíamos chamado o Guardião do Templo, Vass.

Tanith continua seu relato dizendo que enquanto voltara a seu Trono, já sentada, um ser veio até seu lado direito e mandou-a «saltar»! Ela conta que, já em assunção de Hecate, saltou em direção a Daäth e lá fora sugada por Dagdagiel para seu Túnel. A Sacerdotisa não se lembrou de traçar o Sinal de Proteção, fato confessado em seu relatório. Segundo ela, o gênio qliphótico disse-lhe para não se aproximar, pois ela não sabia no que estava se metendo. Dizia que o gênio lhe mandara embora. Soror 789 manteve-se em contato com Dagdagiel durante toda Operação. Segundo ela, o gênio perguntava-lhe enfaticamente sobre o que ela queria naquele lugar. Ela dissera que o gênio somente a deixara ficar ali porque via nela a forma de Hecate e que Dagdagiel concedeu-lhe suas vibrações através das emanações energéticas vaginais.


Coleta dos kalas da Deusa em um ornamento devidamente preparado e consagrado.

É um fato curioso, pois Tanith relata que Hecate, momentos antes, pairava a sua frente lhe perguntando se tinha certeza do que queria realizar. Isso ocorrera enquanto consagrávamos a Santa Nuit. A Sacerdotisa relata que dissera a Hecate que tinha certeza do que estava fazendo. Segundo ela, neste momento Hecate «se apossou de seu corpo».

Ela estivera fora do corpo durante todo o período em que passava mal vomitando muito. Tanith tem a capacidade de se sintonizar com qualquer entidade com muita facilidade. Isso ocorrera outras vezes como no caso de sua Pomba-gira pessoal «Obarah» que manifestou-se em uma médium dizendo-lhe para que Tanith parasse de invocá-la na época dos rituais de Umbanda Thelêmica.

Aussik continuara com o Ritual fazendo as invocações de Vass e Ampu e o banimento da Dança de Shiva. Em seguida deu-se a circumbulação. Tanith encontrava-se deitada aos pés da Coluna de Tiphereth e com a cabeça virada para Ampu na base da Coluna de Hod. A Coluna de Netzach ficava diretamente voltada para o maṇipūra-cakra de Tanith. O Sacerdote começara a invocar Hathor na Coluna de Netzach enquanto manipulava os Passes Ofidianos na sacerdotisa.

Após este trabalho espiritual que na verdade fora uma iniciação para Sacerdotisa, deu-se início a prática de magia-sexual. Aussik não acreditara que ela conseguiria, pois estava muito debilitada. Entretanto ela lutou e tirou forças para adentrar nesta etapa imprevista do Ritual. Segundo Soror 789, nesta etapa da Operação, ela veio buscar o Sacerdote porque já se encontrava no Túnel de Dagdagiel. A Sacerdotisa escutara o chamado do Sacerdote querendo adentrar aquela região.

Imprevista porque fora recebido durante o trabalho que estas Operações deveriam ser festivais constituídos, não rituais cerimoniais organizados. Com o passar dos anos, criou-se um bloqueio nos membros da Loja Shaitan-Aiwaz em sempre realizar o Samekh antes da entrada em Daäth. Em antigas fórmulas de trabalho, os membros acreditavam que era fundamental para qualquer Operação Mágica conter a prática do Samekh para que ela se realizasse com precisão. Entretanto a experiência nos mostrou que durante tantos anos de prática do Samekh muitos membros já não precisavam fazer esta invocação pelo fato dela estar completamente impregnada no inconsciente dos membros. O simples fato de acender o ponto do Daemone já trazia a tona todas às reverberações de anos de prática das invocações de Liber Samekh. Assim fora delineado que esta prática, a partir daquele momento, seria realizada em operações especiais com o Sagrado Anjo Guardião, como na época de Frater Baphomet e Frater Aossic.5

Aussik incorporava as «Torres Negras» – simbolizadas pelo Sinal de Koth. Elas representam o Falo de Shaitan, a Pedra Erguida no Abismo durante o estado crepuscular, i.e. o estado do sonho e o negro abismo do sono. O nome Koth ou Kotha aparece nos nomes bárbaros de evocação utilizados pelos Gnósticos em seu Agapoi. Muitos dos nomes ali contidos aparecem no Liber Samekh escrito por Crowley, o Grimório central do Novo Aeon que contém o Ritual conhecido como Congressus cum Daemone. Este é um dos mais potentes rituais da Corrente Shaitan-Aiwass que contém a fórmula do congresso com o Ser-Sombra. Na seção elemental da Terra, Kotha aparece com o nome de Hathor, a voluptuosa Deusa do Prazer Sexual «a quem Satan, contemplando, deseja». Kotha aqui aparece com a designação «Tu, a que é oca». Koth, portanto significa o Túnel simbolizado pela vagina que emite o tênue plasma responsável pela impressão da vontade magicamente dirigida. Concernente a esta parte elemental da Terra deste Grimório, Crowley observa que o «conceito é o da Terra, brilhando, habitada por um Hipopótamo6 Solar-Fálico, de natureza Venérea».

O método utilizado fora o IXº(+) «embora no manuscrito de Soror 789 haja uma observação contendo informações sobre uma operação do IXº(-)» para operações «superiores». É a fórmula do congresso natural para Operações de Criação, Intuição e inspiração. Esta pratica fora surpreendente para o Sacerdote que somente visualizou o yantra do gênio e vibrou seu nome mentalmente «procedimentos fora do comum para esta prática».

Aussik ao entrar em contato com este gênio teve uma visão de um Sacerdote e sua família, em uma Dinastia Tifoniana remota. Todos da família eram consagrados ao trabalho espiritual-sexual. O incesto era praticado a fim de produzir filhos espirituais potencialmente carregados de muita energia mágica. A cópula mágico-sexual ocorria entre todos os membros da família.

O objetivo era carregar um sigilo pessoal consagrado ao Sacerdote e a Sacerdotisa. A energia altamente atrativa de Vênus agindo no sigilo «plantado» no inconsciente de Aussik e Tanith age diretamente no plano dos discos. A Atração da Prosperidade em todas as áreas era a meta de toda Operação.

Muitas partes do Ritual foram omitidas porque fora recebido que não faziam parte do contexto da história que ali estava ocorrendo naquele exato momento. Em outra ocasião elas irão acontecer. Aussik e Tanith chegaram à conclusão que esta prática deveria ser feita somente dentro da Corrente 93. Novas fórmulas mais simples seriam, a partir dali, realizadas no Templo Nu-Isis para Operações com os Túneis de Seth.

Após a consagração do sigilo com o 14º kala, o Sacerdote agradeceu as forças ali presentes e pediu que ali ficassem.

Resultado: Não era o que esperávamos, pois nos surpreendemos de várias maneiras. Segundo Tanith fora muito mais do que ela esperava. Mas de uma forma geral o objetivo fora alcançado com sucesso.

Amor é a lei, amor sob vontade.


Notas:

1. As implicações espirituais andam de mãos dadas com as experiências vivenciadas diretamente com os gênios qliphóticos. A falha no início por inexperiência e imprudência pode trazer prejuízos permanentes no caminho da iniciação.

2. Karen Kelly née Liguori, Sacerdotisa do Templo Nu-Isis. A raiz do nome, Than significa dragão. O Dragão Tifoniano das Profundezas, i.e. do Ar ou Espaço «Outer Ones», ou Água ou Plano Astral «Deep Ones». Ela representa a Dupla Corrente, Horus «93» + Maat «696», somando assim 789. Tanith representa a Corrente Tifoniana ou Ofidiana. Como TNIT, ela equipare-se a 78, o número de Aiwass, o mensageiro ou Anjo de Hoor-paar-Kraat e com Mezla, «a influência provinda do além», i.e. além de Kether, Yuggoth. 789 é densamente carregado pela Gnose Tifoniana: IPSOS «696» + ALALLA «93»; AIWASS «418» + ShAITAN «371»; IPSOS «456» + IXAXAAR «333»; IPSOS «456» + ChVRVNZVN «333». Finalmente, 789 = PTN, o monograma mágico da Alta Sacerdotisa da O.T.O. que transmite os mais poderosos complexos de energia mágica através do «Ofício de Babalon». Tanith é a fórmula primordial de Babalon.

3. Fernando Liguori assumiu o nome de Aussik-Aiwass como líder da Loja Shaitan-Aiwaz. Aussik é o nome de um Great Old One, uma entidade extraterrestres que, junto a Aiwass, mantém uma ligação de dupla-via com a consciência mundana através da O.T.O. O nome soma 718, um número importante na Qabalah Thêlemica. 718 é QVRI OKIBISh, «a Rede da Aranha». Satan, ShTN + ShTN = 718, uma expressão da Dupla Corrente; e ainda Z-AIN, o «Um-Olho-Espada». 718 é conectado com a Estela da Revelação, que também é conhecida como Shiq-qutz Shomen, a «Abominação da Desolação».

4. Ao passar mal, Tanith retirou de si todos os ornamentos mágicos de Hecate. Antes da realização do procedimento sexual ela pediu ao Sacerdote que lhe entregasse os ornamentos.

5. Isso é de fato de grande importância, pois apenas aqueles magistas que já atingiram a consecução com seu Daemone realizam com impunidade as Operações com os Túneis de Seth.

6. Consagrada à Hathor. A ideia é de uma Fêmea concebida como invulnerável, em repouso, de enorme capacidade para engolir, etc.


Um comentário:

  1. caraleo, Ligoure você é foda, puta trampo bem documentando em minucias. Eu estava procurando sobre Chorozon, quando achei essa postagem.

    ResponderExcluir

Ola, seja bem vindo para comentar. Utilize o bom-senso, seja profundo.