domingo, 21 de setembro de 2014

Jack Parsons & a Operação Babalon



Antônio Vicente


Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei.


Sim, sou Eu, BABALON. E este é o meu livro, que é o quarto capítulo do Livro da Lei. Ele completando o Nome, pois eu venho de NUIT por HORUS, a incestuosa irmã de RA-HOOR-KHUIT.
Liber 49


Síntese: o artigo narra à história de um cientista da NASA, Jack Parsons, que registrou em seus diários uma série de Operações na qual ele teria contatado Babalon. A partir desses contatos uma missão foi-lhe confiada: trazer ao mundo uma criança que seria uma encarnação de Babalon. Ele ainda teria recebido Dela o 4º capítulo de O Livro da Lei.

O propósito do presente texto é duplo: primeiro, levar ao grande público, que tem cada vez mais se aproximado de nossas publicações, esse interessante episódio da história de Thelema; segundo, servir de reflexão para cada estudante da senda acerca de suas reais aspirações e a necessidade do equilíbrio e da ética que deve permear aqueles que desejam criar uma ponte entre seu mundo interior e seu mundo externo. Esperamos que apreciem. Boa leitura!

A biografia de John Whiteside Parsons

John Whiteside Parsons nasceu em 02 de outubro de 1914, em Los Angeles. Quando ainda pequeno, seus pais se separaram o que gerou nele uma certa aversão à autoridade, um espírito de revolução e um apego considerável à figura feminina na pessoa de sua mãe. Tornou-se uma criança isolada e era intimidado por seus colegas de infância, o que gerou nele um sentimento de desprezo à coletividade. Nasceu numa família abastada que, por algumas vezes, enfrentou dificuldades financeiras que foram prontamente superadas.

Em sua adolescência, o interesse pela química e física foram notórios. Veio a se tornar um brilhante e respeitado cientista, com destaque para seus trabalhos junto à área de explosivos e combustíveis para veículos aéreos. Devido a isso, os americanos o homenagearam dando seu nome a uma cratera lunar. Curiosamente, a Crater Parsons está na parte sombria da Lua.

Em dezembro de 1938, foi convidado por um colega de trabalho para assistir à Missa Gnóstica que se realizaria na Loja Ágape da O.T.O. na Califórnia. Resolve, então, afiliar-se à Loja e também assume compromisso junto à A.’.A.’.. Escolhe o mote de Thelema Obtentum Procedero Amoris Nuptiae – uma clara alusão à consecução de Thelema pela via nupcial.

Segundo uma anotação encontrada no diário de Jane Wolf (que conviveu com Crowley em Cefalù), ela menciona a facilidade de Parsons para viagens astrais e experiências místicas, sua bissexualidade, sua tendência para escrever poemas eróticos e seu gosto acentuado para a música. Ela ainda comenta que via nele um sucessor natural de Mestre Therion.

A vivência de Jack na O.T.O. foi tempestiva, como uma ação reflexa do que ocorria na Loja Ágape. O Sr. Smith, responsável pelo Corpo Afiliado, o desviou de seu propósito, tornando-o uma ponte para seus interesses pessoais, bem como uma espécie de harém para satisfação de suas necessidades pessoais. Em meio a isso, brigas e desentendimentos contínuos minavam a egregora da Loja. Crowley tentou, sem sucesso, normalizar a situação da Loja elegendo uma outra pessoa para ficar a frente dos trabalhos. Cogitou-se na possibilidade de Jack assumir a direção da Loja mas Crowley, mesmo sabendo das habilidades e qualidades de Jack, não ignorava também seus pontos dificultadores: sua tenra idade (26 anos), visão romântica e platônica dos fatos, indisciplina, além da ausência de senso organizacional. Quando Crowley moveu esforços para tirar Smith da direção da Loja, Parsons, por algum tempo fez uma administração paralela, uma vez que Smith nunca se desligou efetivamente da mesma. O carisma de Smith era intenso e o próprio Parsons não concordava que ele deixasse a direção da Loja. Nem mesmo a peça que Crowley tentou pregar em Smith vingou: Crowley disse a Parsons que ele era a encarnação de um deus e que deveria ir para algum lugar distante e ficar solitário para que o dito deus se manifestasse nele. Mesmo no exílio a influência de Smith era sentida e ele logo retorna à Loja.

Em meio a toda essa turbulência, Parsons descobre que Smith engravidou sua esposa Helena. O clima se torna mais tenso e o divórcio é iminente. Parsons se enamora de Betty, a irmã de Helena, numa tentativa de superar a crise e de não ceder a seu lado homossexual.

Mas parece que os efeitos da separação foram mais profundos do que se pensa. Jane Wolfe – foto ao lado: enquanto se encontrava na Abadia de Thelema – escreve a Germer e comenta o envolvimento de Parsons com o Vodu e a Bruxaria, bem como uma estranha atmosfera que estava começando a envolver Parsons que, cada vez mais, se dispunha a fazer evocações indiscriminadamente.

Em 1945, Parsons obteve sucesso em contatar algum elemental com o qual ele não sabia o quê fazer com ele; mas é certo que esse contato o deixou um tanto quanto aborrecido. Após esse episódio, conta-se que alguns membros da Loja, portadores de sensibilidade psíquica, se viam obrigados a fazer constantes banimentos pois percebiam presenças alienígenas e intrusas no ambiente.

Parsons se encontra com L.R.H. em 1945. L.R.H era um escritor de pulp stories (narrativas com conteúdos voltados para o erótico e o violento). O encontro dos dois resultou em afinidades: L.H.R. estava grandemente interessado em Ocultismo e Parsons um apaixonado por estórias e ficção científica. Em pouco tempo, L.H.R. se engraçou para o lado de Betty mas esse fato não estremeceu a amizade entre eles.

Em janeiro de 1946, Parsons, utilizando-se das técnicas do VIIIo O.T.O., inicia uma série de Operações dirigidas à Babalon para obter a assistência de uma companheira elemental (i.e. uma Mulher Escarlate adequada para as Operações). Por onze dias ininterruptos tais Operações se sucederam à razão de duas por dia.

Ao chegar em casa, após retornar do deserto de Mojave onde tinha executado as Operações, encontrou uma jovem que o esperava. Ele tomou esse fato como uma resposta positiva dos ritos que fez. Essa jovem chama-se Marjorie Cameron. Ela tinha 24 anos na época, originária de Iowa e era artista. Parsons se casa com ela em outubro de 1946. Na foto ao lado, Parsons e Cameron nesta época.

Em fevereiro de 1946, ele retorna ao deserto de Majove e inicia uma nova série de Operações, das quais não se tem registro. Apenas sabe-se que foi aí que teria recebido a visita da Deusa e que Esta teria lhe comunicado um total de 77 versos que constituiria o que ele chamou de Liber 49. Ele não explica o porquê do título, mas se nos atermos ao Capítulo 4 e 9 do Livro das Mentiras de Crowley, no qual encontraremos uma espécie de louvor à Babalon, poderemos estar na trilha que nos esclarece o porquê de tal escolha. No Aethyr 27°, o símbolo da Deusa é uma rosa vermelha com 49 pétalas. Também não pode ser superestimada a confluência de A Visão e a Voz nas Operações de Babalon.

É muito importante destacarmos o teor de uma carta datada de março de 1946 na qual Crowley adverte Parsons sobre as evocações elementais que este estava realizando; bem como do perigo da perda de equilíbrio por parte do magista que se apaixonasse por tais seres; a culminância dessa paixão irrestrita poderia ser a auto-destruição do próprio praticante. Mas parece que Parsons não deu muito importância a essas ponderações crowleyanas.

Parsons continua a fazer uma série de ritos para contactar Babalon e eles ficaram conhecidos como a Operação Babalon. Nesta empreitada, ele foi auxiliado por L.R.H. e por Marjorie Cameron, que seria sua futura esposa.

Em muitas dessas operações, L.R.H. era quem fazia as comunicações astrais com Babalon e Parson era o escriba. Isso é digno de nota pois L.R.H. não apresentava uma conduta ilibada e pode ter maquiado boa parte dos contatos. No entanto, isso não invalida as mensagens recebidas, uma vez que Liber 49 apresenta várias partes belas e inspiradoras; mas o que foi dito sobre a possível atitude de L.R.H. deve ser considerado como um ponto para ponderações.

Segundo seus contemporâneos, desde ponto em diante, Parsons passou a ter uma espécie de obsessão por Babalon e devotou o restante de sua breve existência a Ela.

Após o término das Operações Babalônicas, Parsons foi comunicado de que a mesma fora um sucesso e de que em breve o Avatar, a criança prometida, a encarnação da Deusa viria até ele, portando um sinal secreto que ele reconheceria. Assim, só restou-lhe aguardar a realização da promessa.

Enquanto isto, Parsons é traído por seus parceiros de ritualística: Betty e L.R.H. furtam uma boa parte da fortuna de Parsons que viria recuperar, por meios legais, apenas uma pequena parte.

Além disso, sua atenção exclusiva às Operações que empreendera o fez deixar de lado suas obrigações para com a Loja que liderava. E isso foi a gotícula que faltava, pois além de Parsons ser convencido e achar que fazia tudo perfeitamente, ainda requisitava bajulações. Tal situação levou os membros a se fartarem de suas ações incoerentes e indevidas para com a função que ocupava. Seu desligamento da Loja seria inevitável. Membros mais ávidos por uma imediata resolução da questão, escreveram a Crowley que, imediatamente, o convida a bater em retirada, considerando-o um fútil e sem redenção.

Após seu desligamento da O.T.O., ele ainda manteve laços fraternos com alguns membros, correspondeu-se com Germer até pouco antes de cruzar o Oriente Eterno e continuou considerando-se um membro da Estrela de Prata.

Daí em diante, pouco se sabe de sua vida. Em 1948, ele foi suspenso de suas atividades profissionais junto ao governo sob a alegação de pertencer à O.T.O. (que segundo os acusadores era um grupo de magia que estava envolvido com atividades de perversão sexual e ações subversivas) e por tornar Liber Oz público. Parsons recorre à justiça e o caso é arquivado. Para tornar a situação ainda mais nebulosa, sua esposa, Marjorie Cameron, o deixa. Esse distanciamento durou 2 anos. Em 1950, reatam laços.

Em 1949, ele assume o juramento de Mestre do Templo, sob a assistência do Sr. Smith, o que nos indica uma reaproximação com este. Nesta ocasião, Parsons assume o mote Belarion, o Anticristo. Pouco tempo depois, lança o Livro do Anticristo. Nesse pequeno texto, ele descreve os ordálios que o levaram se destituir de tudo que era e possuía para poder ser um dedicado à Deusa.

Em 1950, seu trabalho junto à Hughes Aircraft Corporation chega ao fim e ele desejava se dirigir à Israel para trabalhar lá, o que não foi possível. Mais uma vez é acusado de desonesto por estar portanto documentos que não deveriam estar em seu poder. Isso gera processos e novamente sua autorização para trabalhar como cientista junto ao governo é cassada. Tem-se também notícias de que neste período ele estava ocupado em organizar uma escola de ocultismo um tanto quanto caleidoscópica: seria possível observar facetas pagãs e thelêmicas simultaneamente. Profissionalmente, dedicou-se a fazer experimentos químicos em sua garagem que fez às vezes de laboratório.

Parsons e Candy (mote de Marjorie) se propõem a viajar para o México para realizarem pesquisas científicas e místicas. Assim, decidem partir para lá e fazer o percurso em um carro-trailer. Enquanto transportava inúmeras substâncias químicas de sua garagem-laboratório para o trailer, Parsons deixou cair, inadvertidamente, um recipiente que continha uma carga altamente explosiva de mercúrio. A explosão foi vigorosa. Parte do trailer foi destruído e Parsons ficou seriamente ferido mas ainda consciente. Uma hora depois, veio a falecer.

Uma questão inquietante e geradora de dúvidas é proposta quando se pensa na possibilidade de um cientista com vasta experiência como ele, ter sido tão displicente com algo tão sensível. Não menos curioso é o fato de ele ter escrito, alguns dias antes de sua passagem, uma carta a Germer falando de seu contato com seu Sagrado Anjo Guardião e das desassociações psíquicas que passou ao fazer tal contato.

Para muitos sua morte é ainda um enigma. Faz-se mister, portanto, que nos lembremos da associação entre Babalon e as chamas. Em uma das Operações de Parsons uma das mensagens da Deusa teria sido: Ela absorver-te-á e tu te tornarás uma chama viva antes que Ela encarne. Após tomarmos conhecimento de toda a história, essa frase é, no mínimo, perturbadora.

Após a transição de Parsons, a Sra. Cameron (foto abaixo) por algum tempo ainda continuou o trabalho de seu esposo. Sabe-se também que até 1960 ela era responsável por uma Loja chamada “Loja Lunar da O.T.O.”, na Califórnia. Ela faleceu em 1995.

Em resumo, Parsons veio a falecer ainda muito jovem, aos 37 anos (em 1952) e sob circunstâncias intrigantes. Inicialmente, foi considerado por muitos como um dos discípulos mais promissores de Aleister Crowley e ele se considerava o Filho Mágico da Besta e se reportava a Crowley como sendo seu amado pai, ao que Crowley não dava maior importância. Ao longo da trajetória de sua vida, percebe-se que Parsons estava interessado em desenvolver e divulgar a Filosofia de Thelema e viver sua Verdadeira Vontade, não se dedicando a cultuar a personalidade de Crowley, como algumas vezes foi afirmado. Mostrou-se determinado, uma vez que sua declaração de que recebera o Capítulo 4o de Liber AL vel Legis foi alvo de contestações mas, mesmo assim, não desistiu de sua idéia. A afirmativa de Parsons se sustentava na questão da sucessão dos aeons. Para ele, o Aeon de Horus requeria uma complementação através de uma energia feminina ou passiva (Babalon).



Babalon: Um Minúsculo Estudo


Quando o teu pó estiver na terra que Ela pisa, então talvez tu possas levar a impressão de Seu pé. E tu pensas em contemplar a Sua face!
Aleister Crowley

Nosso artigo ficaria incompleto se não tecêssemos algumas considerações, ainda que mínimas, sobre o simbolismo de Babalon – a musa inspiradora de Parsons. Por conseguinte, passemos a elas.

Das divindades que configuram no panteão thelêmico, Babalon é a mais arredia: não é mencionada em O Livro da Lei; embora ali se fale da sacerdotisa como sendo a Mulher Escarlate.

Babalon é um aspecto particular de Nuit. O verso 22 d’O Livro da Lei nos fala que no futuro o Profeta conheceria o nome secreto de Nuit. Este nome secreto é a pronúncia correta de Babalon que ele recebeu enquanto trabalhava com o 12o Aethyr. Antes disto, ele utilizava a forma bíblica Babylon. Babalon soma 156 e para Crowley esta numeração representa a copulação ou samadhi constante com toda a coisa vivente. Ele ainda A considerava como sendo equivalente (e não mero complemento) ao deus Pan e essa não é uma idéia isolada; ela também registra presença nos escritos de Parsons.

O termo Mulher Escarlate é encontrado em O Livro das Revelações ou Apocalipse: a mulher vestida com púrpura e escarlate, e adornada de ouro ... tinha na mão um cálice cheio de abominações; são as impurezas de sua prostituição (Apocalipse – Capítulo 17). Essa menção à Mulher Escarlate levou Crowley ao nome de Babilônia, que ele retificou para Babalon (o Portal do Sol), conforme lemos no parágrafo em epígrafe. Em complemento a essa inter-relação, no Capítulo 49 de O Livro das Mentiras, Crowley descreve quais seriam as Sete Cabeças da Besta sobre a prostituta estaria montada:

Sete são as cabeças da Besta sobre a qual Ela monta.
A cabeça de um Anjo; a cabeça de um Santo; a cabeça de um Poeta; a cabeça de uma Mulher Adúltera; a cabeça de um Homem de Valor; a cabeça de um Sátiro e a cabeça de um Leão-Serpente.

Para os thelemitas, de um modo geral, Babalon configura uma energia de cunho sexual e de caráter mágico. Babalon é um Arcano Arcanorum muito profundo que o próprio Crowley, no 11o Capítulo de Magick, diz que os mistérios Dela só seriam transmitidos particularmente a seus diletos pupilos.

Ela sempre foi conhecida, embora por outros nomes: Grande Mãe, Diana, Ishtar, Kali, Lilith, Inana, Deméter, Isis, Afrodite e Hécate; mas independentemente do nome que A chamarmos, ela sempre será a expressão livre e irrestrita de nossa própria natureza sexual-mágica.

Não podemos deixar de mencionar a presença de Babalon em O Livro de Thoth – o Tarot (lâmina número XI – o número da magick e portal dos Qliphoth). Nas versões não-thelemitas, este Atu é denominado de A Força; no entanto, Crowley o chama de A Luxúria, isto é, a abundante Fonte de Vida do Universo. Este arcano corresponde ao caminho entre Chesed e Geburah, fonte das energias da Corrente 93, insinuando uma das faces do Novo Aeon que é a capacidade de trazer à tona instintos primitivos para serem incorporados, de forma consciente, à nossa estrutura psíquica. Conforme O Livro de Thoth ressalta: Existe nesta carta uma embriaguez ou êxtase – a Volúpia, que é outro nome que se dá a esse arcano.

Considerações Finais

Ao longo das Operações, foi solicitado a Parsons para que escrevesse um livro de instruções para a futura encarnação da Deusa, cuja tutela, inicialmente, ficaria a cargo dele. Certamente, ele não realizou satisfatoriamente tal requerimento, pois ele não deixou uma cópia completa de O Livro de Babalon. O Livro originalmente deveria incluir um amplo artigo com diversas seções, descrevendo diversos aspectos Dela, bem como o propósito de tais Operações. No entanto, a maioria deste material se perdeu.

De O Livro de Babalon sobreviveram: i. o prefácio que fala sobre a expectativa de Parsons sobre a vinda da Deusa e fornece informações interessantes, além de uma parte chamada ‘A Estrela de Babalon’; ii. o relato da Operação Babalon que é composto por 03 partes: a primeira é uma descrição da Operação que Parsons desenvolveu e realizou, culminando com um rito de evocação a um elemental. Em seguida, temos Liber 49 – um texto de 77 versos que ele recebeu no deserto de Mojave. Alguns versos iniciais estão faltando uma vez que uma página do manuscrito original se perdeu. Nele também se encontra uma fórmula para se atualizar a Corrente de Babalon. Observa-se que o conteúdo, o nível de inspiração e o estilo deste Liber não tem paralelo com O Livro da Lei. O que deve ter levado Parsons a considerar tal Livro como sendo o 4° Capítulo de O Livro da Lei deve repousar na fórmula do Tetragramaton no qual Iod He Vav (o Pai, a Mãe e o Filho) possuem uma filha, a He final. Era assim que Parsons via Babalon: a Filha, o complemento natural do Filho (Hórus). É preciso frisar que a O.T.O. não legitima ou reconhece esse Liber na direção que o mesmo se insinua, isto é, como um suplemento ao Liber Legis. A terceira parte do Livro consta de relatos de rituais realizados a partir das instruções de Liber 49. Grande parte das invocações utilizadas foram extraídas das obras de Crowley.

No todo, temos uma obra fragmentada e com muitas partes excluídas ou omitidas pelo próprio Parsons. Maiores detalhes sobre os trabalhos de Parsons são escassos e há pouca coisa publicada. Encontramos algumas menções em O Renascer da Magia e A Fonte de Hécate (Grant) e o Livro de Babalon.

Com essa pequena e incompleta biografia, registramos nosso tributo a um thelemita que não mediu esforços para realizar sua Grande Obra.

Glória e adoração a Ti, Babalon!
Senhora da Noite!
Tu que és o Amor Uno
E tens dividido esse Amor em infinitos Amores
E cada Amor é Único e igual ao Uno.

Pelo teu Vinho lustral e pelos beijos de Nuit,
Na tua alegria, eu contemplo a Pan.
Pela luxúria e adoração,
Pela Vida e Pela Morte
Pelo Fogo e pelo Candeeiro!
Te invoco, óh Babalon ,
Que teu Conhecimento, Poder e Magia
Estejam em meu ser.


Amor é a lei, amor sob vontade.


Suporte Teórico:

- The Babalon Working - Michael Staley – disponível em:
Este texto foi à espinha dorsal de nossa pesquisa e fizemos uma adaptação de grande parte.
- Liber 418 – a Visão e a Voz.
- O livro de Thoth.


Um comentário:

  1. Li este relato em "O Renascer da Magia". Porém, este artigo foi mais detalhado.

    ResponderExcluir

Ola, seja bem vindo para comentar. Utilize o bom-senso, seja profundo.